“De repente, senti alguém tocar meu braço esquerdo, como num solavanco. Tomei um susto e logo percebi que se tratava do SOL que acabara de chegar. Ainda assustada, olhei para o alto e vi as nuvens daquela tarde nublada afastando-se, e “ele” entrando triunfante. Todos os rostos iluminaram-se, inclusive o meu. Sei que ninguém percebeu, mas enquanto o pastor falava, eu, rápida e silenciosamente, via tudo. EU VI TUDO e, em um piscar de olhos, um filme se passou em minha mente, ou melhor, um livro”.

(Trecho do Livro: Quando o Sol me tocou- Andreia Friques) http://www.logoslivrariavirtual.com.br/QUANDO-O-SOL-ME-TOCOU/

Querido leitor,
Agora temos um espaço online casino só nosso, vamos ficar bem pertinho um do outro e conversaremos muito sobre esse livro, suas histórias, seus “desfechos”! No trecho acima narro exatamente o momento em que fui tocada pelo Sol. Agora quero te ouvir. Onde você mora?   Como foi sua experiência com a leitura desse livro?    Afinal, quando o Sol te tocou?

4 - Baixa 4

29 Respostas para Quando o "Sol" te tocou?

  1. Sandra Costa Leite diz:

    Pessoalmente, acredito que todos nós temos excelentes histórias que merecem ser contadas, contudo a habilidade necessária para contá-las vem a poucos.
    Conheço Andreia há muito tempo e de alguma forma sinto-me parte de sua linda história, com prazer e orgulho, obviamente.
    A narrativa do livro de Andréia Friques é dinâmica e interativa, suas palavras entram com delicadeza e trazem consigo um indescritível poder para tocar profundamente o coração, até do mais cético leitor.
    A escrita é bem elaborada, rica e focada. Com objetividade e intrepidez a autora fala sobre o subjetivo: ética, sensibilidade, altruísmo, coragem, força, sofrimento, dor, equilíbrio, serenidade, alegria, dedicação, entrega, fé, amor e Deus.
    Durante a leitura senti-me navegando num oceano de fé e amor.
    Quanta fé!
    Quanto amor!
    Deus passeia livremente entre e dentro de cada palavra, trazendo ao coração, especialmente da leitora que voz fala, muita fé, força e determinação.
    Com notória e admirável resiliência, Andréia nos conduz a um desfecho surpreendente e carregado de emoções, embora previamente anunciado.
    Chorei copiosamente.
    Logo após o lançamento lembro-me de ter escrito estas palavras com toda a veracidade do meu coração, mas como sempre o Senhor foi muito além e fez muito mais do que eu posso expressar.
    Como você diz: – Nossos ministérios se completam. Como se completam minha amiga!
    Através da sua obra Deus tem alcançado e curado muitos corações. Pessoas com as quais eu tenho o privilégio de caminhar e orientar chegam a mim após lerem Quando o Sol me Tocou com um novo olhar para a vida e isso é lindo de ver, de ouvir e de desfrutar.
    Os passos de Marina são lindos, tão lindos quanto a sua história de vida.
    Uma pessoa recentemente me disse: – Agora eu entendi o que você quis dizer. Após ler o livro de Andréia eu entendi que sofrimento tem uma nova dimensão para mim, assim como ela narra na página 108.
    Eu louvo ao Senhor da nossa história pela sua vida e sua decisão de viver os planos Dele, mais do que isso, de compartilhá-los em Quando o Sol me Tocou.

  2. Verônica Secchin diz:

    Uma história emocionante de ser lida, de uma mãe e uma filha guerreiras! Em que a cada parte há uma lição de vida! Um livro que não tem como parar até que chegue ao fim!

  3. MARCIELY diz:

    ME SINTO HORRADA DE TER VIVENCIADO ESTA LINDA HISTORIA DE AMOR,ENTRE MÃE E FILHA. LEMBRO DO DIA EM QUE ENTREI EM SEU QUARTO E VI A MARINA PELA PRIMEIRA VEZ,PARECENDO UMA BONECA DE TÃO LINDA!
    ACHO QUE FOI EU QUEM DEU SEU PRIMEIRO BANHO FORA A UTIN,SOB O OLHAR APAIXONADO DAQUELA MÃE,QUE POR MESES ESPERAVA SUA FILHA AMADA CHEGAR PARA COLOCA-LA E EMALAR EM SEUS BRAÇOS.VOCE É UMA GUERREIRA ,COMO MUITA QUE CONHECEMOS,QUERO CITAR DRª PENHA VANZO.AGRADEÇO A DEUS POR ELE ME PERMITIR CONVIVER COM VOCE.T ADMIRO COMO MÃE,E PRINCIPALMENTE COMO PESSOA.BEIJOS DE SUA ETERNA ADMIRADORA .BEIJOS QUERIDA E QUE DEUS LEVE SUA HISTORIA PARA O MUNDO TODO SABER A GRANDEZA DE UM VERDADEIRO AMOR,COMO O DEUS POR NOS.

  4. Juliana Menezes diz:

    Andreia, esse livro nos conta uma história de muitas batalhas, superação, grande amor e dedicação de uma mãe e uma fé inabalável. Repensei sobre o que é realmente problema na vida, e precisa da minha atenção, ou não atenção.
    Seja muito feliz, tenha paz e sucesso. Grande abraço.

    • Ju, muito feliz em saber que nossa história pode contagiar tantas pessoas e nos trazer uma reflexão tão importante como a que você fez. Muito obrigada pelo carinho! Muitas felicidades pra você e pra sua família tão querida! Beijão!

  5. Silvia Mantovani diz:

    ” Mas, se tem uma coisa que aprendi é que, se a gente prestar bastante atenção, for humilde e sensível, a vida pode ser uma excelente pós-graduação. ”
    Frase do livro Quando o sol me tocou.
    Este livro foi fundamental pra mim.
    Me ensinou várias coisas que eu ainda não sabia.
    Andreia é o próprio SOL ! Tanta sensibilidade, força e delicadeza. Um privilégio estar com você…cada palavra, gesto, sorriso, uma menina linda, uma mulher corajosa.
    Agradeço a Deus pelo nosso encontro.
    Muitos beijos e saudades

    • Obrigada querida, pelo carinho que você e Syd Lucas tiveram comigo. Obrigada, especialmente, por se interessar tanto por minha história logo nos primeiros minutos que convivemos. Obrigada por deixar meu livro na cabeceira de sua cama, ao lado de autores consagrados. Obrigada por também ter aprendido a amar Marina! Um beijo pra sua família linda!!!!

  6. Maria José Torres de Azevedo diz:

    Durante toda a leitura do livro era como se a Andréia estivesse do meu lado me contando toda esta história, como já fez aluma vezes, conseguia ver cada expressão no seu rosto, cada gesto com as mãos e principalmente o brilho nos seus olhos quando fala da Marina.
    Andréia você é uma pessoa iluminada.
    Te admiro muito como mãe, profissional e pessoa que você é.
    Obrigado por compartilhar esta história
    de vida com todos nós, e nos ensinar com ela.
    Um forte abraço,beijos.

    • Zezé, muito obrigada querida, por tudo, por todo amor q sempre teve por nós… Me lembro de cada visita sua à UTI, cada telefonema, jamais vou me esquecer…Q bom q gostou da leitura do livro!!! Obrigada pelo depoimento. Muitas felicidades p sua família linda!!!! beijão!

  7. Juliana Costa diz:

    Um fim de semana impactante.. na verdade, o melhor momento do ano de 2013.. Quando precisei de muito apoio e direção, quando estava cheia de dúvidas e incertezas.. DEUS colocou no meu caminho as pessoas certas, as histórias certas.. vivi maravilhosas descobertas lendo a história de Marina e Andreia.. Por diversas vezes em minha vida.. me senti perdida.. mas nunca tão perdida.. quanto estava no momento em que li “Quando o Sol me tocou”.. Ao ler essa história.. redescobrir o significado de confiar em DEUS.. viver inteiramente dependente da sua graça.. e o mais importante é a capacidade de enxergar os milagres e as maravilhas de DEUS mesmo em meio a uma grande tempestade.. Redescobri que na vida há momento para TODAS as coisas.. e que sempre vem no momento certo.. DEUS sempre sabe, ele conhece meu coração mais do que eu mesma.. e supriu minhas necessidades.. mesmo aquelas que eu nem sabia que tinha.. O livro é muito envolvente.. não tem como parar de ler.. você meio que vicia.. e não consegue parar.. rsrsrs.. mas a cada página.. era mais do que as palavras de Andreia.. era DEUS me dando um grande ensinamento.. de que ele sempre sabe de tudo.. ele conhece todas as coisas.. e em tudo há um PROPÓSITO!

    Grande abraço Andreia

    • Juliana, que lindo. Me emocionei em ler seu depoimento. Obrigada! É isso mesmo que o Sol faz na nossa vida, ilumina, aquece. Muito feliz em saber que nossa história está fazendo a diferença na vida de tantas pessoas. Um beijão, ainda vamos nos conhecer!!! Felicidades…

  8. Sandra diz:

    Querida Andréia Friques:
    A cada página q avanço na leitura do livro, te admiro mais. A figura da guerreira q facilmente enxergamos em vc, conhecendo “o resumo” da sua história, às vezes não nos deixa enxergar a Andréia “ ser humano”, certamente repleta de medo do futuro, angústias, insegurança. Ao ler capítulo a capítulo percebi que só conhecia a versão COMPACTA desta história, e que apesar de imaginar as dificuldades por qual passou, foi página por página que tive a noção de quão dura foi esta trajetória, para vc, para a lutadora Marina, para o “Théo” e para o “Atílio”. Meu Deus…. quanto seu coração já esteve apertado e sangrando.
    Mas você mostrou que é guerreira, sábia, corajosa e acima de tudo edificadora. Apesar da dor, não desmoronou e não deixou o mundo em volta ruir.
    Penso na Marina como um anjo, que conheceu nesta curta e intensa passagem pela Terra a dor física, mas tb o amor na sua plenitude, na sua forma mais genuína. Vocês foram os melhores pais que ela poderia ter tido – puro amor, pura doação. E se tornaram seres humanos ainda melhores e mais preparados para ampararem tantos outros pais que passam por dificuldades parecidas.
    Quanto ao “Theo”, me encanto cada dia mais com ele, aquele garoto lindo, de sorriso fácil. Apesar de tê-lo visto uma única vez, foi tão afetuoso comigo… Lendo sobre todo o amor que dedicou à irmãzinha, só tenho a dizer, que vocês tem um filho de ouro! Generoso, amoroso, companheiro, feliz. Tenho certeza que será um grande homem!
    Escrevi estas palavras em etapas, movida por sentimentos que a leitura do livro me despertou, à medida que as páginas foram lidas. Cada parágrafo aqui, foi escrito num determinado momento.
    Muito me tocou a sua sensibilidade, a sua capacidade enxergar o sofrimento do próximo. Seu livro nos desperta para a necessidade de sermos profissionais melhores, mais humanos. Melhores ouvintes, melhores no acolhimento… menos egoístas, menos egocêntricos. ” Melhores no amor, melhores na dor, melhores em tudo” – (Jota Quest – Dias Melhores). Questionadores sobre qual o nosso papel neste mundo, quanto ainda temos q aprender a ser gente, quanto ainda temos que aprender a nos colocarmos no lugar do outro, enxergar a dor do outro.
    Quero dizer que sinto imensa gratidão por tê-la conhecido. Sua FORÇA, EQUILÍBRIO, FIRMEZA, SABEDORIA, INTEGRIDADE, SENSIBILIDADE, POSITIVIDADE , FÉ na vida, fazem de você um grande exemplo para nós.
    Parabéns por ser esta GRANDE mulher. E por nos mostrar que ” sofrimento não quer dizer derrota”. E que apesar das dificuldades, temos muito a valorizar ao nosso redor. E que a vida continua. E que estamos aqui para cumprir a vontade do Pai.
    Tenho ORGULHO de você!

  9. Rosana Rigo diz:

    Não acredito em coincidências, e o nome Andréia Friques ouvi no momento mais difícil da minha vida, ainda na porta da Utin, tinha acabado de perder meu bem mais precioso, minha eterna Malu, momento conturbado, dia 24/08, poucos dias antes do lançamento do livro. Uma enfermeira me falou vou colocar no seu face um depoimento de uma mãe que também perdeu uma filha, ela estará lançando um livro na próxima semana, sei que agora você não vai ver, mas depois que as coisas acalmarem veja e procure o livro para conhecer essa história, vai te ajudar, procure pela Andreia, converse com ela e saiba o que ela também passou. Na hora ouvi aquilo, gravei o nome, mas não tinha cabeça para nada. E assim foi que conheci e ouvi a pela primeira vez seu nome. Passado alguns dias lembrei e fui buscar essa história, e vi que além da enfermeira, a Dr. Tânia médica da Malu também tinha me encaminhado o link sobre o livro “Quando o Sol me tocou”, 1 dia antes do seu falecimento. Bom, quando fui ler o livro estava com o misto de emoções e expectativas, precisava conhecer aquela história, saber como uma mãe superava a perda de um filho, como sobreviver após ver seu filho indo embora para nunca mais voltar… Foi emocionante acompanhar essa história, com tantas riquezas de detalhes, tanto Amor, Dedicação, Fé, Perseverança. Por muitos momentos era a minha história que se confundia com a que lia, eu me sentia a própria Andreia, e na Marina eu enxergava a Malu. Sua história Andreia é fantástica, linda e única, mas se me permite muito do que você relatou que vivenciou, eu também tinha acabado de vivenciar, assim como você fazia com Marina eu fiz com a Malu, arrumava como princesa, muitos laços, enfeites, uma verdadeira boneca. Era uma alegria tão grande ter tido minha filha que mesmo diante de tudo tão difícil e doloroso quando ela me olhava, se acalmava no meu colo, eu não lembrava de mais nada. As limitações dela, dificuldades que passávamos eram pequenas diante de tanto Amor e Dedicação.
    Seu livro me ajudou muito, acalmou meu coração que sangra de dor, pude definitivamente entender que não tenho controle de nada, que à hora da Malu tinha chegado e mesmo que tivesse levado ela para o hospital antes não teria resolvido. Quando li seu livro ainda me sentia muito culpada, por não ter percebido antes que ela não estava bem. Mais acompanhando sua história, sabendo do seu conhecimento e experiência como enfermeira, lendo seus relatos sobre os rápidos socorros que dava toda vez que Marina precisava, percebi que nem isso foi suficiente para mantê-la viva e ao seu lado, quando à hora dela chegou, a sua Marina também partiu, diante da vontade de Deus, dos planos dele e não dos nossos.
    Muito Obrigada, Parabéns pelo brilhante livro, é muito emocionante. Qualquer dia passo para compartilhar mais da minha experiência ao ler essa fabulosa história.

    • Rosana, só posso te agradecer por me permitir “entrar na sua vida” nesse momento difícil q está enfrentando….vc tb é uma guerreira, fez tudo q pôde, foi a melhor mãe q a Malu podia ter tido. Vcs se reencontrarão na eternidade, querida e viverão o melhor de Deus p vcs!!!! Conte comigo sempre!!! Beijos!

  10. Silvia Vanderss diz:

    Querida Andréia,
    Como havia comentado no dia do lançamento, eu sabia das fortes emoções que iria sentir ao ler sua obra. É uma história de vida muito triste, porém, que traz ensinamentos de amor valiosos, que nos motiva e nos faz refletir sobre o que realmente importa em nossas vidas, em nossos corações. Acredito que escrever é expor sentimentos, compartilhar conhecimentos vividos, enfim, algo que fez brilhantemente. Parabéns!

  11. Maria Luiza Damiani diz:

    Querida Andreia,

    como não se emocionar com suas doces palavras. A cada página fui me tornando tão próxima que eu parecia estar presente em cada cena descrita. A cada frase eu consegui sentir sua fidelidade ao Senhor. A cada palavra a renovação do seu amor à Marina.

    Esse livro é uma grande presente à memória dela. Marina sem dúvidas foi uma pequena grande guerreira!

    Ah e o amor? Que lindo ver esse amor incondicional, puro, sem fronteiras por uma filha.

    Acredito que “Quando o Sol me tocou” vai poder levar mais que uma lição de vida para os outro. Vai levar conforto, amor, carinho, e a presença de Deus. Porque ele está presente em cada página, em cada fato por vocês vivido. Espero, que esse livro consiga chegar à muitas “esposas e mães de Marinas”.

    Com Carinho.
    Malu

  12. Letícia diz:

    Sempre fui uma pessoa de Fé. A gratidão e o agradecimento fazem parte das minhas orações diariamente. Depois de conhecer a sua história e de Marina, aprendi a agradecer mais. A ser grata pelas coisas simples, a amar ainda mais meu filho. Ele é meu Sol, é ele quem ilumina minha vida assim como Marina fez com a sua. Parabéns pela sua dedicação e carinho. A Marina deve ter tido muito orgulho dessa mamãe Guerreira e cheia de amor. Sua família é linda. Que através de sua história, o Sol toque muitos e muitos corações…

  13. Liliane diz:

    Andreia, boa noite! Gostaria de saber onde encontro esse grandioso livro? Já estou emocionada com tantas palavras de amor e afeto! Deus abençoe sua família! Grande beijo.

  14. Gilsara diz:

    Andreia,
    Sou do interior do ES e no mês de julho de 2013 estava participando do culto da manhã na Igreja Batista em Jardim Camburi quando durante a divulgação do lançamento do seu livro fiquei muito interessada em ler “Quando o Sol me tocou”. Então fui presenteada com seu livro e vale ressaltar que na dedicatória minha irmã fez referência a Salmos 84:11 “Porque o Senhor Deus é um sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não retirará bem algum aos que andam na retidão.”
    Claro, não perdi tempo, ti todo o livro no mesmo dia e terminei a leitura em prantos. Minha filha também leu e o que posso afirmar é que Jesus, o Sol, tocou nossas vidas através deste livro.
    Certamente, Ele tocará muitas vidas ainda.
    Agradeço a Deus por vc ser um canal de bênçãos e que continue sendo instrumento usado por Ele, sempre.
    Forte abraço!

  15. Janaina Miranda de Melo Pelissari diz:

    Andreia,

    Ler seu livro foi quase ler sobre mim.
    Fui apresentada ao seu livro pelo seu marido, numa consulta, quando buscava algo para me “reestruturar após ter ganho uma batalha”. A palavra que me descrevia era ESTAFA. Ele me falou muito brevemente sobre a história de vocês, que se parecia com a minha, e que você havia escrito um livro
    Comprei o livro alguns dias depois… E meu sentimento a cada pagina era: que vontade de abraçar a Andreia e agradecer. Que mulher é essa, que mãe é essa! Que lição de vida é essa!
    Sou mãe de duas gatinhas. Quando minha Clarinha nasceu , Livia, a mais velha tinha 1 ano e 9 meses. Clara nasceu perfeita, e aos 28 dias, foi internada com bronquilite grave. Isto evoluiu para muitas “ites e ias” Pneumonia, septiciepia, anemia… Descobrimos uma mal formação renal que mudou nossas vidas. Na UTI passei por momentos de muita angústia, tristeza, vitória, alegria e fé, muita fé. Uma intimidade com Deus que só experimentei naquela época. E uma fortaleza que só podia ser de Deus.
    Emoções e sensações que só mães de UTI sentem. Mas nunca, ninguém ME descreveu tão bem como você. A cada página me via ali e me emocionava. Essa mulher era eu. Nunca ousei comparar a minha história, dores e vitórias com a sua, mas era parecido.
    Muito triste também constatar que as falhas do sistema hospitalar capixaba acontecem com todos. Até hoje tentei encarar as iatrogenias de Clara como “azar” meu. Mas ao ler seu livro vi que isso não aconteceu só conosco.
    Ao todo, foram quatro internações, uma cirurgia (também em São Paulo), infinitas infecções urinárias, e muitas historias pra contar.
    Bem querida (era assim que você me chamou no livro e ficamos tão intimas), acho que o sol me tocou no dia que Clarinha, aos dois anos e um mês , falou um “muito obrigado” emocionado, ao médico de São Paulo que a operou, e vi, um medico experiente e renomado, chorar de emoção por um obrigado mais do que sincero de uma pacientinha. A Clara foi internada no dia 28 de março de 2011, dia do meu aniversário. E em 28 de março de 2013, 2 anos depois, ela me presenteou com um sincero MUITO OBRIGADO, a aquele senhor que nos ajudou a livrá-la da tal mal formação.
    O “sol” ás vezes me toca ainda. A ultima vez que ele me tocou foi aproximadamente ha um mês, ao ler e reler seu livro e ver, minha vida descrita com tanta propriedade por uma pessoa.
    Obrigada e parabéns

  16. salete diz:

    gostaria de saber como faço pra comprar o livro e os dvd’s

Deixe uma resposta