Nas primeiras semanas de introdução da alimentação complementar, algumas mamães ficam “de cabelo em pé” com as reações dos pequenos. Caretas, pratinhos jogados ao chão, choro, recusa. Tudo isso (e muito mais) pode acontecer e acredite, é mais comum do que a gente imagina.

🍆Aquele bebezinho que antes “só” conhecia o que era leite materno ou fórmula infantil, agora terá que experimentar sabores ácidos, amargos, texturas diferentes, temperaturas mais frias ou quentes. Ele vai aprender a comer sentadinho, “sozinho” e, aos poucos, vai entender que a alguma coisa está mudando.
🍏Gente, mudança não é fácil para ninguém! .
🍑Se você está passando por essa fase e acha que seu pequeno NUNCA VAI ACEITAR NADA DIFERENTE de leite, anote essas dicas:

1⃣ ACALME-SE! Essa fase vai passar.
2⃣ Saiba que cada bebê tem seu tempo. Não fique comparando seu filho aos coleguinhas do parquinho.
3⃣ Construa uma rotina alimentar para ele, ofereça os alimentos tranquilamente, nos horários que ele estiver com fome (Se ele estiver de barriga cheia de leite, provavelmente terá menos interesse por outros alimentos).
4⃣ Diga sempre palavras positivas e de incentivo. Ele é pequenininho mas é capaz de perceber TUDO!!!
5⃣ Deixe seu bebê tocar no alimento, sentir sua textura, aroma, sabor… Converse com ele com alegria sobre essa nova fase!
6⃣ Sempre que possível, coloque-o para fazer suas refeições junto com a família! Ele aprenderá (muito) vendo o papai, a mamãe, os irmãos se alimentando! Afinal, ninguém gosta de comer sozinho!

Mais uma vez: Acalme-se!!! Acredite, ele vai comer!!!

Com amor, Andreia Friques ♥

Lembra quando nossas avós diziam QUE ENQUANTO DORMIMOS ESTAMOS CRESCENDO? Pois é, elas intuitivamente conheciam o HORMÔNIO DE CRESCIMENTO!

Ele é fundamental para o crescimento das crianças e por diversas ações importantíssimas para o nosso organismo. Porém, para que seja liberado, a criança precisa estar DORMINDO em sono PROFUNDO. O problema é que a maioria das crianças hoje vai dormir tarde o QUE É PÉSSIMO PARA A SAÚDE DELAS!

Crianças que habitualmente dormem tarde têm maior risco para várias doenças como depressão, transtornos emocionais, transtornos ALIMENTARES, obesidade, etc.

As repercussões desse “mal hábito” podem durar por toda a vida. O ideal é que às 21:00hs todos estejam indo para a cama e isso não é implicância de avó!

Mas como conseguir colocá-lo para dormir mais cedo?

✅ Evite brincadeiras agitadas, atividade física, jogos eletrônicos e filmes, a noite.
✅ Crie um ambiente tranquilo em casa, diminua a intensidade da luz.
✅ Estipule um horário limite para assistir TV, depois, faça outras atividades como leitura, ouvir uma música, etc! (A luz diminui a liberação de Melatonina, hormônio fundamental para o sono).

Sei que muitos pais têm uma rotina pesada, chegam tarde em casa e que o “mundo moderno” às vezes nos impede de fazer o “ideal”. À vocês, minha dica: Coloque-o para dormir o mais cedo possível, dentro da sua realidade !

Lembrem-se: Estamos Juntos!

Com amor, Andreia Friques ♥

Ao contrário do que muita gente ainda pensa, o ovo (Gema + Clara) pode e deve ser iniciado na Alimentação Complementar a partir dos 6 meses de vida, EXCETO para aqueles que têm Alergia Alimentar (esses devem ser avaliados e orientados individualmente)!

Segundo os Guias de conduta Americano, Europeu e Brasileiro, a introdução TARDIA do ovo, AUMENTA O RISCO DE ALERGIA A ESSE ALIMENTO!

Quando iniciado após os 9 meses esse risco aumenta em 1,5 vez!

Quando iniciado após os 12 meses de vida, esse risco aumenta em 3 vezes! (Fonte: *Kull et all, 2006/ Koplin JJ, et all, 2010).

Portanto, mãos à obra! Afinal, ele é gostoso, super nutritivo, fácil de oferecer à criança (cozido, em forma de omelete picadinha, mexidinho na frigideira anti-aderente com um pinguinho de óleo de coco ou mesmo sem óleo)!

Lembrando que:
✔️ a gema deve ser bem cozida para evitar o risco de contaminação por Salmonella;
✔️ o ovo substitui a carne na papinha e/ou comidinha;
✔️ não colocamos sal na comidinha do bebê;
✔️que geralmente recomendamos oferecê-lo ao bebê até 3 vezes na semana!

Todas essas informações estão detalhadas em outros posts sobre esse assunto!

Com amor, Andreia Friques

 

 

Ou é você que come RÁPIDO DEMAIS ?!

Queixas frequentes no consultório, especialmente de mães de crianças pequenas: “- Nossa, ele leva um tempão para raspar o prato… – Ela mastiga, mastiga, mastiga, não acaba nunca”. Você acha que ele come devagar demais?

1- Certifique-se de que o ambiente está favorável para que ele se concentre no que está fazendo. Se ele for para mesa cheio de estímulos visuais, sonoros, (TV, tablets, etc), certamente se distrairá e levará mais tempo para comer. Se por outro lado, você o distrai com esses atrativos para justamente fazê-lo “engolir” mais rápido, então é preciso repensar toda a logística familiar (converse com os profissionais que te acompanham).

2- Observe o tamanho do prato que você faz para ele. Alguns adultos têm a visão distorcida do quanto “cabe” no estômago da criança. Geralmente, entre 01 a 6 anos, a capacidade gástrica gira em torno de 300 gramas. É claro que cada um precisa ser avaliado individualmente, mas em geral, comer mais que a necessidade real da pessoa não é vantagem, o excesso não deve ser incentivado.

3- Se seu filho come bem, está crescendo e se desenvolvendo adequadamente porém tem um ritmo mais lento para mastigar, engolir e finalizar a refeição, reflita: Será que não é ele quem está certo?

shutterstock_98354027

Vivemos em uma sociedade do “Fast”… Tudo é rápido, pra ontem, não dá para esperar nada, viver atrasado é o nosso estado “normal”… Nós adultos estamos acostumados a engolir a comida e muitos pagam um preço caro por isso!

É triste ver que, na correria do dia a dia, não estamos tendo tempo para perceber os sinais, os alertas que as crianças têm nos dado! E assim a vida passa, de forma rápida, acelerada, de forma “FAST”… Papai e mamãe, acreditem, seus filhos têm muito a te ensinar!

Com amor, Andreia Friques

Essa é uma dúvida frequente nas minhas redes sociais e consultório! Sei que muita gente vai ficar desapontada, mas tenho um compromisso comigo mesma: usar meu trabalho para LEVAR SAÚDE AO MAIOR NÚMERO DE CRIANÇAS POSSÍVEL.

 

Leiam a lista de ingredientes de um biscoito tipo “Maizena” de uma marca conhecida:

Farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico (trigo branco), açúcar, gordura vegetal hidrogenada, açúcar invertido, amido, soro de leite, sal, fermentos químicos bicarbonato de amônio, bicarbonato de sódio e piro fosfato ácido de sódio, emulsificante lecitina de soja, aromatizante (não informa qual) e “melhorador” de farinha metabissulfito de sódio. Contém Glúten. Aromatizado artificialmente.

Resumindo: Trigo Branco + Açúcar + Gordura Hidrogenada + Aditivos Químicos

 

Pode ser gostoso, não ter recheio, ter cara de inocente mas, na minha opinião, esses são alguns daqueles produtos que não deveriam fazer parte do dia a dia das nossas crianças! Infelizmente, porém, têm sido introduzidos precocemente na alimentação dos pequenos, às vezes, ainda bebês!

Precisamos acostumar nossos filhos a comerem COMIDA DE VERDADE!

 

Com amor,

Andreia Friques

Pois não deveria! Eu e meu marido sempre tivemos o propósito de deixar nossos filhos longe das guloseimas, principalmente até completarem 2 aninhos. Fizemos isso com Miguel quando eu ainda não era Nutricionista Materno Infantil e valeu muito a pena.

Com meu caçula fizemos o mesmo. Além da questão da formação dos hábitos, no caso dele, tínhamos um motivo a mais: Davi tinha uma forte intolerância ao leite. Por já ter um irmão mais velho, frequentemente ia comigo em aniversários e eu sempre levei o lanchinho saudável deles nas festinhas. Para mim isso era e ainda é super natural.

Até que um dia, quando ele tinha quase 2 anos, enquanto me distrai por alguns segundos, uma pessoa colocou um brigadeiro enorme na boquinha de Davi. Eu sei que ninguém faz isso por mal, é por ignorância, no sentido literal da palavra. Eu, educadamente, disse a ela que ele não podia consumir leite, que nunca havia comido um doce e retirei parte do brigadeiro, antes que ele engolisse tudo.

Bem, aí vocês imaginam o resto da história… resumindo, passei aquela noite toda com Davi suando frio de cólicas e dor abdominal.

Sempre que escrevo sobre a importância de manter os pequenos longe das guloseimas algumas pessoas se pronunciam como se isso fosse exagero, ou algum castigo à criança. Castigo? Como assim? Como alguém vai sentir falta de algo que ainda não provou?

Se você mostrar um cupcake trufado a uma criança de 1 ano e meio que nunca provou o que é leite condensado, ela com certeza se interessará! Mas se você mostrar a ela um bolinho lindo, coloridinho, saudável, feito com frutas, ela muito provavelmente, se interessará da mesma maneira.

Você não concorda com nada disso? Ainda não está convencido do quanto os Primeiros Mil Dias (da fecundação aos 2 anos) são CRUCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO? Você acha que um dedinho lambuzado de milk-shake não faz mal a ninguém? Ok, é um direito seu! Mas respeitar os que já acorda
ram para essa realidade, É DEVER DE TODOS!

Está pensando em oferecer algo a uma criança pequena? Pergunte primeiro aos seus responsáveis o que acham disso!

 

Com amor,

Andreia Friques.