Aqui estão algumas fotos favoritas da minha terceira gestação. O primeiro bebê, perdi, em um aborto espontâneo. O segundo tinha seis meses quando o terceiro, este aí na minha barriga, entrou para nossa história, a Marina. Quando descobri que estava grávida, que alegria! Logo no início, com sete semanas, que susto: – O bebê que você está esperando é muito malformado, inviável, disse o médico, você pode até fazer um aborto, completou.

Tanta coisa aconteceu de lá para cá… já são 5 anos passados e ainda hoje muitas pessoas me perguntam:  – Como foi a gravidez de Marina? Como você viveu? Fez enxoval, tudo “normalmente”?

A gravidez não foi fácil, passei mal nos primeiros meses, tive notícias difíceis, fui submetida a exames dolorosos. Dormia e acordava todos os casino online dias sem saber o que o “futuro” nos reservava. Em todos os momentos do meu dia, e das noites mal-dormidas, me declarava àquele bebê, para os médicos “malformado”, para mim, “o meu bebê amado”. E assim passaram-se nove meses de muito amor e luta, de muitas provações e fé, sem perder a esperança. O enxoval, roupinhas e sapatinhos eram os mais lindos. O quarto foi preparado, as fotos tiradas, tudo como eu sonhei, com o mesmo amor de mãe.

Esse post não estava no meu “script”, não sei porque o escrevi. Talvez você, leitor, saiba! Então, termino dizendo o primeiro parágrafo que se passou em minha mente quando me sentei para escrevê-lo:

Gerar um filho, em qualquer circunstância NÃO É UMA SENTENÇA DE MORTE! Gerar um filho é, e sempre será, uma sentença de vida, uma bênção! Cada filho que temos é uma missão. Eu gerei a Marina com o mesmo amor que gerei meus outros filhos. Gerei aquele bebê “inviável” para que ele vivesse, para que fizesse parte da nossa família e contribuísse para o bem da humanidade.  A vida de Marina foi gerada em mim e eu me sinto extremamente feliz e honrada por isso!  Ainda hoje colho os frutos desse amor!

DSC_5045

DSC_4964

DSC_4816

 

http://www.logoslivrariavirtual.com.br/QUANDO-O-SOL-ME-TOCOU/

16 Respostas para Como é gerar um filho "malformado"?

  1. Renata Rosa diz:

    Amiga, parabéns!! O Blog ficou showww!! Beijos

  2. Simplesmente maravilhoso seu depoimento, Andreia!!! Ser mãe, não significa apenas ser a mãe do bebê mais perfeito do mundo, mas sim, amar aquele que Deus nos enviou, sobretudo, sentir que sua missão foi cumprida aos olhos Dele!!! Que Ele lhe abençoe sempre…

  3. Suelen Soares diz:

    Que linda! E a Marina indo ainda mais longe…

    • Sandra Costa Leite diz:

      Verdade, Su.
      Andréia é sempre linda, especialmente gestante e os passos de Marina… Ah, os passos de Marina são um daqueles mistérios do Senhor!
      Também não sei o porquê deste post, mas alguém sabe, Deia. Eu creio nisso.

    • Verdade…. esses passos ainda vão longe… Há muitas Andreia e Marinas a alcançar!!!! Obrigada meninas!

  4. Sandra diz:

    Lindas fotos. Lindo depoimento. Já disse e vou repetir aqui: A Marina, na sua curta passagem por esta vida, foi muito amada com certeza soube disto. Ela teve os melhores pais q Papai do Céu poderia ter dado a ela. E o irmãozinho mais fofo e querido.

  5. Nossa!! vc é incrível, adorei seu site e vou te acompanhar sempre!

  6. Jeanne diz:

    Deia, quanto mais leio a sua história, mais me emociono e vejo o quanto Deus preparou algo especial para sua vida e família!
    Tenho acompanhado seu trabalho e estou muito feliz por você! Parabéns!!! Deus te abençoe cada dia mais!!!
    Como faço para comprar seu livro?
    Saudades! Super beijo!

  7. Gislene Prado de Mello diz:

    Meus Parabéns, você é linda em todos os sentidos!
    Te sigo a pouco tempo, sou nutricionista tbém, hoje não exerço a profissão, moro na China e tenho uma filha de 1 ano de 10 meses. Adoro compartilhar suas dicas!
    Obrigada! Beijos!

  8. gonçalo diz:

    Olá. Queria muito falar contigo. fazem agora 7 meses que eu me minha esposa estamos gerando dois bebes inviáveis mal formados. ta muito difícil quem sabe pode nos ajudar.

Deixe uma resposta